23 de jun de 2011

A Garota da Capa Vermelha (2011)

Red Riding Hood, EUA, Canadá
Olhe bem para a foto acima. Olhou? Pois bem. É só isso que Amanda Seyfried faz durante todos os quase intermináveis 100 minutos de A Garota da Capa Vermelha: abre a boca, e arregala mais os olhos (ou será que os olhos delas já são assim?). Enfim, essa atuação estúpida faz os 100 minutos parecerem 100 horas.



É inevitável não se lembrar da Saga Crepúsculo quando adentramos na trama do fraquíssimo A Garota da Capa Vermelha. O primeiro de tudo, o espectador já faz essa comparação quando ver o nome de Catherine Hardwicke nos créditos e na própria divulgação do filme faz questão de informar os desatentos que trata-se de um filme "da mesma diretora de Crepúsculo". Apesar de ser fraco o longa que abriu a franquia nos cinemas é o mais ok até agora.

Esquecendo as comparações, A Garota da Capa Vermelha busca o mesmo público. Hardwicke segue o mesmo percurso de uma trama óbvia e obsoleta. A garota pressionada pelos pais dividida entre o seu amor e o jovem a quem foi prometida. No meio da trama surge um lobisomem para retirar a paz de um vilarejo. Vocês podem imaginar a quem o lobisomem deseja, não é? Acertaram.

Essa roupagem mais adulta da clássica história da Chapeuzinho Vermelho não funciona. O roteiro está repleto de personagens mal estruturados e um deles é o incoerente personagem de Gary Oldman que parece deslocado na trama; com justificativas surrealistas para os seus atos, fazendo o espectador não acreditar naquele que está na tela e nem o no resto da projeção. Hardwicke não consegue convencer ninguém. Roupagem mais adulta não seria o termo correto. As referências à história original estão ali, mas não influenciam a trama de forma significativa.

Hardwicke faz questão de tornar os obstáculos colocados na frente da personagem principal mais piegas do que já são. Todo o joguinho de suspense, meio que forçando o espectador a especular quem é o vilão da história é enfadonho. O ritmo de A Garota da Capa Vermelha é lento, quase parando. As atuações estúpidas pioram a sessão. O que irrita mais é o horror como plano de fundo para um romance.

É bom o espectador está acostumado a não se incomodar com conclusões que jogam na sua cara todas as razões para os atos do antagonista. O engraçado é que chegamos a pensar que nada pode piorar. Aparecem heróis-adolescentes-inexpressivos, junto com mocinha-apaixonada-louca-indecisa-exagerada. Se você tiver um bom senso de humor vai rir muito com o último ato. O melhor é sentar e esperar a melhor parte do filme: os créditos

█ De Catherine Hardwicke, com Amanda Seyfried, Gary Oldman, Billy Burke, Julie Christie. 100 min.

7 comentários:

  1. Essa mina com boca de bolagato e olho de sapo ...
    E todos deveriam ganhar um prêmio por ter visto esse filme inteiro ... mó ruinzão ...

    Abraços champeis!

    ResponderExcluir
  2. Péssimo, horrível, pavoroso! Forte candidato a pior filme do ano!

    ResponderExcluir
  3. Ai que vergonha! Ainda bem que passei longe desse. Achei muito Crepúsculo Feelings.

    ResponderExcluir
  4. Hahaha! Ai, ri bastante das composições de cena da diretora, com uns movimentos de câmera tão bregas e sem sentido que só fizeram jus a tantos personagens mal desenvolvidos. E olha que eu achei interessante o resquício de ideia que o filme propunha. Pois é, nada como ser iludido por trailers.

    ResponderExcluir
  5. Vendo apenas o trailer já se percebe que é um filme voltado para o público adolescente.

    Estou linkando seu endereço no meu blog.

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Engraçado é que criei uma expectativa para ver esse filme. Oh decepção...

    ResponderExcluir

Seguidores