26 de abr de 2008

Apenas Uma Vez (2006)

Com a câmera quase todo tempo na mão, uma fotografia despojada e uma edição até “desleixada”, Apenas Uma Vez ou simplesmente Once não esconde sua origem humilde. Com tantos Blockbusters saindo onde os intérpretes são mais astros do que mesmo atores, Once se destaca pelo seu modo simples, um roteiro honesto e uma belíssima (e melancólica) trilha sonora. Once conquista pela delicadeza pela desenvoltura da história que envolve a pessoa que o assiste. É um filme difícil de haver hoje em dia, e que o cinema anda precisando muito. Não há nenhuma inovação, só o fato de não apelar em nenhum momento, sem nenhuma intenção de arrecadar absurdos de dinheiro.

Na trama um homem chegando aos 40 aparentemente sem rumo ganha uns trocados tocando e cantando nas ruas de Dublin e ajudando seu pai na loja. Certa noite chama a atenção de uma estranha que o escuta uma de suas belas canções com melodias suaves e letras fortes. A troca de algumas palavras entre os dois é o bastante para surgir uma amizade inusitada. Amizade essa que será “carro-chefe” do filme.

Um musical que não se vê os atores dançando ou dando piruetas a toda hora. As músicas são inseridas com coerência, nos momentos certos, expressando as emoções dos personagens. Glen Hansard e Markéta Irglová estão ótimos, os dois despertam uma empatia mesmo que nem nome os personagens tenham. Sensível, singelo, simples e simpático, Apenas Uma Vez é um filme raro de se ver, uma obra fantástica, com coração, alma, e claro, muita música. Uma pena que nem Glen nem Markéta farão novamente filmes, como o próprio título diz foi apenas uma vez...


Um comentário:

  1. Que bacana, parece que vai ser legal...

    "Sensível, singelo, simples e simpático"

    Parece comigo!

    hudauhduhauas


    abrasss


    http://www.visaocontraria.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Seguidores