16 de nov de 2009

2012 (2009)


É necessário apenas que um comercial de TV diga, numa narração, que o filme em questão seja o mais aguardado do ano para ele ser. 2012 não é o filme mais aguardado do ano, é somente um blockbuster com uma campanha de marketing meio atrasada, mas é suficientemente capaz de ser o filme-catástrofe original que teve a melhor abertura mundial. Para se ter ideia comprei meu ingresso para a primeira sessão faltando apenas 2 minutos para o início e não havia nem metades da sala cheia acreditem... Mesmo assim o filme trata de um tema que muitas pessoas, que não vão frequentemente ao cinema, pagariam para ver.

2012 é exatamente do jeito que em pensei que era; nenhuma surpresa, por isso não fiquei enjoado durante a sessão, mesmo que o filme não tenha sido tão interessante de ser assistido, a vontade de sair só se deu por conta da duração. 158 minutos para contar uma estória que se resolveria em 90. A longa duração, que me deixou furioso logo que vi, serve para mostrar todos tipos de catástrofes globais que ocorrem pelo mundo: tsunamis, terremotos, maremotos e o pobre do John Cusack (que eu nem sabia que estava neste filme) tem que passar por cada um deles.

Os primeiros minutos da projeção já nos deixa com plena certeza sobre o quê acontecerá nos minutos seguintes. Depois aparece a trama clássica do homem divorciado que tenta reconquistar o afeto dos filhos que preferem o padrasto. Lembra muito Guerra dos Mundos e outros filmes-catástrofes que não recordo no momento. E o público não vibrou em momento algum nas cenas de grandiosos efeitos visuais. Porque eles já estão acostumados a ver àquilo na Hollywood de hoje e estão cansados de mais do mesmo, porém não sabem disso, porque há gente que acaba gostando desses filmes apenas por ser bem produzido e mal sabem que esquecerão quando surgir outro no ano seguinte.

É assim que funciona o mercado cinematográfico hoje, infelizmente. Um substitui o outro e poucos ficam na memória e com a vontade de ser revisto. Em 2012 você não ver a hora que acabe, porque quando chega à metade da projeção surge a pergunta: o que eles ainda vão contar? As mesmas coisas de sempre: ondas cobrindo as cidades; fugas com veículos enquanto a cidade é destruída atrás. Uma repetição chata e burra, só que em cenários diferentes.

Os personagens têm tão pouco destaque na tela que chega a parecer que estão fazendo apenas pontas. O destaque é a profecia maia e os pôsteres só mostram destruição. O grande fim da humanidade. Fim? Para um filme catástrofe ele até que é otimista e bonzinho demais. Esqueça os finais felizes, eles só funcionam para crianças e o público-alvo não são as crianças. Roland Emmerich – assinando também o roteiro – não poupa melodrama típico de filmes deste porte. Um pai que se culpa por não ter passado muito tempo com o filho; um filho que se culpa por não ter passado muito tempo com o pai. E um presidente (numa analogia à Barack Obama) arrepende-se de não contar a real situação à população ficando para trás por vontade própria. Uma ova. Algo tão forçado que deixa a sensação que foi feito para todo mundo ter pena dos Estados Unidos. Causa uma sensação também de ter assistido uma refilmagem de Um dia depois de amanhã, do mesmo diretor.

Por ser totalmente previsível – eu acertava cada “momento surpresa” – toda a tensão do filme é quebrada pela montagem paupérrima e os grandes efeitos, que nos deixa de boca aberta de tão bem produzidos, são reduzidos às cinzas. Vamos ver qual será o próximo a substituir esse. Avatar, talvez, que ficará por muito tempo na mente das pessoas, espero eu e acho que não estou enganado.


2012
(2012, EUA/Canadá, 2009)
Direção: Roland Emmerich Roteiro: Roland Emmerich, Harald Kloser Elenco: John Cusack, Amanda Peet, Chiwetel Ejiofor, Thandie Newton, Oliver Platt, Thomas McCarthy, Woody Harrelson, Danny Glover, Liam James, Morgan Lily, Zlatko Buric, Beatrice Rosen. Ação/Drama/Ficção. 158 min.

6 comentários:

  1. Rafael,

    Primeiro lugar: é a primeira vez que entro aqui.Me surpreendi. Adorei o método certeiro de sua crítica e pretendo passar aqui mais e mais vezes!

    Segundo lugar: 2012 é um filme pretencioso - cad~e a mitologia toda divulgada? Uma decepção gradual.
    Não posso negar, há efeitos magistrais, mas o que eu procurava não encontrei. O filme abusa de cliches TÃO ultrapassados que fica a duvida de quando esse filme foi feito. Engraçado, que após vê-lo mal me lembrava dos personagens.
    Um drama misturado com efeitos visuais e nada, nenhum suspense.

    Mas é isso: blockbusters nasceram para isso!

    ResponderExcluir
  2. Se der, passe no Cinemótica.
    { http://awarmovies.blogspot.com }

    ResponderExcluir
  3. Nossa Rafael, que mega crítica! Eu adorei o filme, concordo: Previsível, longo, etc. Mas eu será que fui o único que vibrava ao ver os efeitos, minha mão nunca ficou tão suada em um filme no cinema! Mas pode ser porque vejo grandes emoções em mega efeitos e desastres nas telonas! Tanto que quem foi comigo, não gostou do filme disse: "Eu sabia que tudo era mentira mesmo". Ah, mas tem que entrar no filme né?!
    Ah, e diferente de você, onde eu fui, o cinema quase nem tinha mais lugares para sentar! Que louco!

    Espero que seja AVATAR substituir esse! Mas não se esqueça da modinha que estreia nesta sexta: Lua Nova! Gosta? Eu odeio!

    ABRAÇO

    ResponderExcluir
  4. Ora, obrigado, Ricardo. Concordo totalmente com sua opinião. Os efeitos são perfeitos, mas o meu grande problema com o filme foi a longa duração. Adorei o Cinemótica.

    Ricardo, eu não conseguia ficar empolgado com os efeitos, embora eles sejam realmente bons. E aconteceu o contrário: quem foi comigo gostou e eu fui o único a não curtir o filme. E eu estou aguardando "Lua Nova", mas estou enjoado do fanatismo das menininhas. Mesmo assim é uma estória interessante, só que é mais direcionado ao público feminino.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Estou curioso, mas graças à críticas como a sua, cauteloso também. Verei no Domingo.

    ResponderExcluir
  6. Wally, não sei, mas acho que fui bondoso demais, devia dar apenas uma estrela! ;DD

    ResponderExcluir

Seguidores