8 de dez de 2008

Os Estranhos (2008)


Kristen McKay (Liv Tyler) e James Hoyt (Scott Speedman) estão em plena viagem, rumo à remota casa de veraneio dos pais dele. Ao chegar eles apenas querem descansar um pouco, mas seu descanso é interrompido quando três estranhos mascarados invadem o local. Para piorar ainda mais a situação, os estranhos demonstram sentir prazer ao aterrorizá-los cada vez mais.

Se há uma coisa que temos certeza ao terminar Os Estranhos (The Strangers) é que o único objetivo do filme é criar uma nova franquia. Sim, pois o filme é suficientemente capaz de assustar gente para gerar 55 milhões de dólores, num orçamento de 10 milhões aproximadamente. Os Estranhos é ilógico. Bryan Bertino (em seu primeiro longa) pensa que o públigo nunca assistiu um filme de terror. Os personagens parecem que seguem uma cartilha de "O que fazer num filme de terror pra você morrer". O filme já começa dizendo que é inspirado em fatos reais. Acho pouco provável que três malucos mascarados - são apenas pessoas "normais", ok? - saibam exatamente os passos de suas vítimas e movimente-se mais rápido que Usain Bolt e sem fazer nenhum barulho. Vocês certamente sabem do que estou falando: quando a mocinha vira o rosto por um segundo e ao voltar a olhar a pessoa "ameaçadora" não está mais lá.

Típico. Bertino consegue ao menos criar um clima medonho com uma ótima trilha e usando a câmera numa montagem inteligente - ou seria clássica. Tomamos sustos, mas não sentimos medo. O medo se constrói por algum tempo, declinaria completamente se os rostos dos dementes fossem mostrados. Durante cerca de meia hora de projeção só escutamos barulhos na porta, Liv Tyler sozinha (que espécie de homem abandona a mulher que ama no meio do nada) e finalmente um louco com uma máscara que aparece somente na penumbra e não faz nada. Mesmo assim foi uma das cenas que me causou medo. É uma pena que o filme não convença. Não pelos psicopatas que aparecem às 4h da madrugada rodeando a cabana. Isso acontece. O que incomoda mais é que os roteiristas Nathan Kahane e Roy Lee colocarem situações óbvias para um filme de terror/suspence.


5 comentários:

  1. Rafael, é muito triste ver este filme recebendo tantas críticas. Eu próprio não dei uma grande nota, mas ainda assim é alta. Vejo que o único problema da fita é o final (ODEIO o grito da Liv) e alguns exageros cometidos pelos próprios personagens. Mas acredito que o diretor foi totalmente despretensioso e não quis inserir nenhum artifício mirabolante ao filme. Anyway, acho que poderia ter sido melhor, uma vez que a história é real e forte...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Dou três e estrelas e meia! Ele sabe atingir o seu público-alvo mas tem algumas falhas... não achei tão ruim quanto você!

    ResponderExcluir
  3. Ainda não vi, mais deve ser mais uma grande baboseira gringa ;x

    ResponderExcluir
  4. Estou bem curioso em relação a esse "Os Estranhos", não apenas pela falta de bons filmes do gênero como também pelas opiniões divididas entre os blogueiros.

    ResponderExcluir
  5. Kau, odiei o final do filme. Odeio também o o grito da Liv. Exagero não falta, o roteiro é cheio de furos. Concordo que poderia ser bem melho. Faltou aproveitamento.

    Robson, não curti o filme muito mesmo. Mas sabe como é, né? Sem dúvida o diretor cria um clima bem tenso pra atingir o público alvo. Porém o filme constrói um defeito crucial: comercial demais.

    Cleber, "Os Estranhos" está dividindo bastante opiniões entre os cinéfilos. Uns apreciam, outros odeiam. Nem um, nem outro para mim. Por isso que dei duas estrelas. Mesmo assim não recomendo.

    Vinícius, com toda certeza o filme divide opiniões. Sinto falta de filmes de suspense bons...

    Abraço!

    ResponderExcluir

Seguidores